Faltas no trabalho podem gerar demissão por justa causa?

De acordo com a advogada Francielli Palma Maciel, especialista em direito trabalhista, faltas no trabalho, certamente, podem gerar punições, mas será que pode chegar ao ponto de uma demissão por justa causa.

É bem verdade que o trabalho é algo fundamental para milhares de brasileiros, afinal de contas, na grande maioria dos casos é a respectiva atividade que garante o sustento. Diante disso, a demissão está entre os maiores receios do trabalhador, especialmente, em relação a dispensa por justa causa.

Dentre as dúvidas relacionadas aos motivos que levam a demissão por justa causa, as faltas no trabalho costumam ser centrais nos questionamentos. Para compreender devidamente os efeitos que podem ser ocasionados pelas ausências do funcionário, é estritamente necessário compreender o que está previsto nas Leis trabalhistas, já que nesse âmbito há regras que protegem os interesses de ambas as partes da relação (empregado e empregador).

O primeiro ponto a ser entendido nesse contexto, é que existem duas categorias de faltas, aquelas que são justificadas e outras que não. Isto é, o cenário varia bastante, à medida que o funcionário apresenta um motivo ao patrão que valide a sua ausência no trabalho naquele determinado dia. Aliás, por diferentes razões o empregado possui o direito de se ausentar, conforme prevê a legislação.

Contudo, é preciso cautela para compreender este direito, pois, como dito, a lei protege ambas as partes. Isto precisa ser bem esclarecido, dado que de um lado temos o funcionário com o receio da demissão e de outro está o empregador que esperava contar com os serviços do empregado naquele dia.

Faltas justificadas 

À priori é importante destacar que faltas com justificativas, devem ser devidamente comunicadas ao empregador, mesmo que o motivo garanta o direito a ausência por lei, ou seja, o ponto aqui, é a comunicação. Em suma,  o trabalhador pode e deve utilizar os motivos que garantem a ausência prevista na legislação, entretanto, nunca pode deixar de comunicar a empresa.

Ao todo, o artigo 473 da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) prevê 11 razões pelas quais o cidadão pode se ausentar do trabalho, sem sofrer qualquer tipo de penalidade, incluindo advertências e descontos salariais.

Faltas injustificadas geram demissão por justa causa?

Como bem se sabe, ausências que não são devidamente comunicadas ao empregador, ou que ocorreram por motivos levianos que não dão o direito a falta, deixarão o trabalhador sujeito a sofrer punições. Contudo, não é qualquer caso que abre a possibilidade de uma demissão por justa causa.

Isto porque, a demissão por justa causa representa, em muitos casos, o pior dos males para o trabalhador, visto que nesta modalidade de dispensa, o funcionário perde o direito a praticamente todas as verbas rescisórias. Por esse motivo que existem penalidades mais brandas que podem ser aplicadas antes de um desligamento por justa causa. Confira:

  • Aplicar o desconto salarial equivalente ao dia não trabalhado;
  • Descontar a remuneração referente ao descanso semanal;
  • Advertir o trabalhador pela falha e quais males futuros isto pode gerar;
  • Descontar dias de férias do trabalhador. A partir de 6 ausências injustificadas, as férias podem ser reduzidas, e acima de 32 todos os 30 dias de descanso podem ser retirados do funcionário.

No entanto, caso ainda sim as faltas injustificadas permaneçam sendo recorrentes, em algum momento a dispensa por justa causa poderá ser aplicada para garantir a proteção do contratante. Em suma, o desligamento por justa causa poderá ser aplicado em casos nos quais o funcionário se ausentou do trabalho por mais 30 vezes, pois este cenário representa “abandono de emprego”.

O que eu recebo em uma demissão por justa causa?

A demissão por justa causa apenas é aplicada quando o trabalhador cometeu uma falta grave, logo, a punição é proporcional a falha do funcionário.

Por norma, são perdidas quase todas as verbas rescisórias comumente pagas na rescisão, o que abarca: FGTS + 40% de multa, aviso prévio, 13º salário, férias proporcionais + ⅓ constitucional e seguro-desemprego.

Sendo assim, restará apenas o pagamento do saldo salário, férias vencidas (caso haja), horas extras (caso haja) e salário família (em caso de trabalhadores de baixa renda).

Artigos Relacionados

Adolescente de 12 anos morre enquanto esperava atendimento médico no interior de SP

Santa Casa de Casa Branca (SP), informou que paciente chegou com sintomas leves, mas quadro...

Cobra sucuri de 4 metros é flagrada atravessando estrada rural na região

Animal foi registrado por autônomo e seu padrasto que estavam a caminho de sítio, entre...

Consumidor de energia elétrica: você conhece seus direitos e deveres?

Para facilitar a compreensão do que é direito e o que é dever do cliente,...

Últimas Notícias