Família exibe últimas mensagens de jovem sequestrada pelo Hamas

Celeste, filha e neta de brasileiros, vivia perto da Faixa de Gaza e foi levada pelo grupo terrorista; familiares conseguiram se esconder em abrigo quando as sirenes começaram.

Desde o início dos conflitos entre Israel e o Hamas, mais de 120 pessoas já foram levadas para Gaza – todos estes reféns capturados pelo grupo terrorista armado.

Uma dessas pessoas é Celeste Fishbein, nascida em Israel, mas de família brasileira, e uma das tantas pessoas de quem não se tem mais notícias nem de Israel, nem do Hamas. Para a família, fica a dúvida: como trazer Celeste e as demais pessoas de volta, e com vida?

Celeste é filha e neta de brasileiros. Com 18 anos, ela trabalhava como cuidadora de crianças em uma escola infantil. Ela desapareceu no início da guerra, no último dia 7. E depois de sete dias sem notícias dela, uma informação do exército israelense fez a família acreditar que ela possa estar entre os reféns do Hamas.

Em conversa com o Fantástico ao longo de toda a semana, Mario Fishben, tio de Celeste, revelou que há registros do celular dela em Gaza que deram alguma esperança de mais informações.

“Sabemos que o telefone dela está lá em Gaza. Não localizaram o telefone em si, localizaram o último sinal do telefone. Mas isso não quer dizer nada, o telefone pode estar em um lado e ela pode estar em outro”, explicou.

A dificuldade, no entanto, é muito grande e a família admite que a preocupação aumenta conforme os dias vão correndo.

“Vai passando o tempo e você vai ficando mais desesperado, porque eles não passam nenhum tipo de informação”, reconheceu Mario.

A apreensão aumentou durante a última quarta-feira (11). A mãe de Celeste foi até um local em Gaza para dar uma amostra de DNA de Celeste, para saber se ela poderia estar entre as vítimas da guerra. No entanto, não houve notícias até sexta-feira (13). E todos ficaram ainda mais preocupados.

A esperança, no entanto, prevaleceu: chegou a notícia de que Celeste está entre as pessoas sequestradas pelo Hamas – o que significa que ela não está entre as vítimas já encontradas.

Quando os ataques começaram, Celeste e o seu namorado – de quem não há informações até o momento – estavam na casa dela no Kibutz Be’eri, uma comunidade agrícola bem próxima da Faixa de Gaza. A avó dela mora a 500 metros do local, e lá também estavam a mãe e o irmão de Celeste.

Quando as sirenes começaram, as pessoas da família de Celeste foram para um abrigo que todas as casas da região possuem. E por um aplicativo de mensagens instantâneas, surgiu a preocupação sobre o paradeiro da jovem quando ela, que havia ficado em casa, parou de responder.

Os familiares de Celeste ficaram 20 horas trancados no abrigo. E de lá viram tudo ao redor ser invadido – como a casa da jovem – e destruído.

“Depois de 20 horas chegaram os soldados de Israel e conseguiram resgatar a minha mãe, minha irmã, meu sobrinho e a cuidadora da minha mãe. E foram levando-os na direção do transporte para tirar eles do Kibutz – lá, tudo foi destruído”.

Artigos Relacionados

Empregado afastado tem direito as férias?

O afastamento prolongado do trabalhado do serviço em razão de doenças e acidentes de trabalho,...

Funcionário Sem Vale-Transporte Pode Faltar Ao Trabalho?

A lógica por trás disso é simples: o trabalhador não deve ser penalizado pela incapacidade...

Dano em veículo causado por buraco na rua pode ser cobrado da prefeitura; saiba como

A maioria das pessoas acaba arcando com os danos; reportagem conversou com advogado Kleber Luzetti,...

Últimas Notícias